Carreiras Jurídicas Concursos

Analista de Tribunais: descubra como conquistar sua vaga

Imagem de uma mesa com a balança de Themis
Escrito por G7 Jurídico

Com a criação do TRF 6, em 2021, o Brasil passou a contar com 92 tribunais. Certamente, são inúmeras as oportunidades de concursos públicos para quem busca uma vaga em um deles

 

Os concursos para a área de analista de tribunais sempre são muito disputados pelos concurseiros da área jurídica. A boa remuneração, a estabilidade e, evidentemente, a possibilidade de atuar em um cargo sonhado são algumas das razões que atraem, todos os anos, inúmeros graduados para o certame.

Em razão disso, preparar-se de maneira sólida e consistente é condição sine qua non para conquistar a tão almejada aprovação. 

Para deixar mais próximo o dia em que seu nome aparecerá nas listas de aprovados dos concursos para analista de tribunais, o G7 Jurídico elaborou este guia com o objetivo de auxiliá-lo na preparação para as provas com dicas valiosas provenientes de quem mais entende de aprovação em concursos jurídicos. Boa leitura!

QUERO CONHECER O G7

Entendendo a estrutura dos Tribunais no Brasil

O tribunal é um órgão público que tem como papel exercer jurisdição e, para isso, resolve litígios com eficácia de coisa julgada.

No Brasil, a organização dos tribunais que temos hoje é consequência direta dos desenvolvimentos histórico-políticos que vêm desde a época colonial. No presente, temos basicamente cinco tipos de tribunais diferentes, cada um com suas prerrogativas e competências. 

No topo da hierarquia, temos os Tribunais Superiores:

  • Supremo Tribunal Federal (STF);
  • Superior Tribunal de Justiça (STJ);
  • Superior Tribunal Militar (STM);
  • Tribunal Superior do Trabalho (TST);
  • Tribunal Superior Eleitoral (TSE);

Os Tribunais Federais abrangem 5 regiões, a saber:

  • Tribunal Regional Federal da 1ª Região (Abrange os estados: AC, AM, AP, BA, DF, GO, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR, TO);
  • Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Abrange os estados: ES, RJ);
  • Tribunal Regional Federal da 3ª Região (Abrange os estados: MS, SP);
  • Tribunal Regional Federal da 4ª Região (Abrange os estados: PR, RS, SC);
  • Tribunal Regional Federal da 5ª Região (Abrange os estados: AL, CE, PB, PE, RN, SE).
  • Ps – Foi aprovada a criação de um 6º TRF, o qual ainda não foi devidamente instalado.

, ainda, os Tribunais Estaduais e do Distrito Federal e Territórios, que são 27 ao todo, e os Tribunais Regionais Eleitorais, que também são 27 no total. 

Existem também os Tribunais Regionais do Trabalho que são divididos em 24 regiões, sendo que o 1º fica localizado no Rio de Janeiro e o 24º no Mato Grosso do Sul. 

Por fim, há os Tribunais Militares, que são três ao todo: Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais, Tribunal de Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul e Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo.

Quantos tribunais existem no Brasil? Com a criação do TRF 6, em 2021, o Brasil passou a contar com 92 tribunais. Certamente, são inúmeras as oportunidades de concursos públicos para quem busca uma vaga em um deles. 

 

Estudar para concursos de Tribunais

No tópico anterior, ficou claro que a estrutura judiciária dos tribunais no Brasil é bastante robusta; isso significa que, invariavelmente, pessoas que se preparam especificamente para a prova para cargos de algum desses tribunais também acabam prestando o concurso para tribunais de outras regiões.

Isso seguramente vale a pena. Imagine que você está estudando para o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ SP) e pode optar por também prestar a prova para Tribunais de Justiça de outros estados.  Em 2022, ano em que estão previstas e esperadas as provas do TJ MG e do TJ DF, boa parte do seu estudo para o tribunal de São Paulo será aproveitada.

Ademais, busque ser cuidadoso caso haja mais de um edital divulgado para concursos na área de tribunais. Conciliar, no pós-edital, o estudo para concursos diferentes, mesmo que seja para tribunais, pode fazer com que seu foco seja disperso. Assim, seja cauteloso nesse momento e busque a estratégia que melhor se adeque à sua realidade de estudos e à sua trajetória de preparação.

 

Leia também: 4 macetes para concurso público: conheça!

 

Matérias básicas para o concurso de tribunais

Como vimos, existe uma grande quantidade de tribunais no Brasil, o que expande a possibilidade de divulgação de editais de forma mais frequente. Apesar dos editais de tribunais diferentes, frequentemente, divergirem quanto a algumas disciplinas cobradas, existem aquelas matérias que podemos chamar de “básicas”, uma vez que estão quase sempre presentes nas provas de qualquer um deles.

Essas matérias são: Língua Portuguesa, Direito Administrativo, Direito Constitucional, Processo Penal, Processo Civil e Raciocínio Lógico.

Nesse caso, é importante focar nessas disciplinas no pré-edital para que, quando o edital do concurso for divulgado, você já tenha uma fundação sólida de conhecimentos e foque na revisão e nos pontos que foram divulgados e que ainda não haviam sido aprofundados no seu cronograma de estudos. 

E vale, também, comentar que a Língua Portuguesa é uma disciplina de extrema importância, não apenas para garantir sua aprovação nas provas objetivas e dissertativas do concurso, como também na prática da sua profissão quando for aprovado. Por isso, nada de deixá-la de lado para focar nas disciplinas mais específicas. 

Conheça a fundo a banca organizadora do concurso para o seu tribunal

Uma analogia interessante que podemos fazer aqui é pensar no dia (ou nos dias, já que são mais de uma fase) da prova do seu concurso como uma “batalha”.  Aqui, cabe uma frase de Sun Tzu, estrategista e filósofo chinês milenar. Segundo ele, “se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas”. 

E o que isso tem em relação com ser aprovado em um concurso para tribunais? Simples: pense nas provas e etapas do seu concurso como as maiores batalhas que você terá que enfrentar para conquistar a aprovação (ou, em nossa analogia, vencer a guerra). Caso não conheça o perfil da banca que preparou sua prova, faltará em você a preparação e o conhecimento necessários para saber o que está enfrentando e, com isso, se preparar de maneira condizente.

 

Prepare-se para a prova de analista de tribunais com quem realmente entende 

Alguns dos erros mais graves cometidos por concurseiros iniciantes que buscam uma vaga na área de tribunais é o desperdício de duas coisas valiosas para a sua aprovação: tempo e dinheiro.

O investimento errado trará como consequência, muito provavelmente, mais alguns anos até que você finalmente consiga ser aprovado em um concurso público para tribunais.

Pensando nisso, o G7 Jurídico criou uma proposta metodológica única no mercado com o objetivo de ser a principal referência na preparação para concursos públicos jurídicos, incluindo os concursos para tribunais.

Com autossuficiência de conteúdo, aqui você conta com a maior carga horária do mercado e com professores que são referência em sua área de atuação. A experiência dos nossos professores no mercado de concursos públicos faz toda diferença, pois, assim como você, eles entendem perfeitamente as principais dores e problemas enfrentados por concurseiros e, ainda, têm a solução para contornar isso da maneira mais eficaz possível.

E isso não é apenas retórica. Acesse nosso canal no YouTube e confira alguns vídeos dos grandes mestres que ajudarão na sua aprovação.

 

 

Leia também: Métodos de estudo para concurso! Conheça 3!

Leia também: Dicas de aprovados para passar no concurso

Sobre o Autor

G7 Jurídico

Comentar

Share This